Política

Espero que votem sim, diz guarulhense sobre redução salarial de prefeito e vereadores

Projetos que reduzem rendimentos de prefeito, vereadores, secretários e servidores comissionados será votado nesta quinta na Câmara

Guarulhenses ouvidos pelo GuarulhosWeb, na região central da cidade, na tarde desta quarta-feira, 29/4, apoiam a iniciativa de redução salarial do prefeito Guti, dos vereadores e de servidores comissionados, para uso do dinheiro em ações contra o coronavírus. Os projetos que tratam do tema serão analisados na Câmara Municipal em sessão extraordinária nesta quinta-feira, 30/04.

Se forem aprovados, os projetos definem cortes de 50% nos vencimentos de Guti e do vice Zeitune, de ¼ dos subsídios mensais de chefe de gabinete, secretários, secretários-adjuntos, coordenadores, controlador-geral, controlador geral adjunto e presidente do IPREF. Além das funções já observadas, diretores de departamento, administradores de regional e o diretor do IPREF receberão 20% a menos na folha. Os demais cargos comissionados terão salários reduzidos em 15%, proporcional à redução da carga horária. Vereadores, de acordo com o texto em votação, terão redução de 30%.

O que diz a população?

“Em um momento delicado como este, precisa haver compreensão e colaboração, principalmente de quem foi eleito pelo povo e ganha bastante. Eu sou a favor”. Márcio Nascimento, 58, aposentado.

“Acho que está certo. O povo colocou lá e não é uma questão política, é de união agora. Não é só reduzir o salário do trabalhador comum, precisa começar pela classe política. Espero que votem sim”. Miriam Macedo, 54, psicóloga.

“Concordo. Eles têm muitas regalias. Se eles reduzirem os salários, toda economia pode ser revertida para a saúde”. Giovani Araújo, 48, vigilante.

“Eu acho uma boa atitude deles. Não adianta só reduzir do funcionário, sendo que alguns foram até demitidos”. Lucineia Schmitz, 42, auxiliar de limpeza.

“Sou a favor. Nessas horas todos precisam colaborar, inclusive prefeito e vereadores. Para ajudar nessa pandemia e neste momento difícil em que toda população está sendo sacrificada ficando em casa, eles devem fazer a própria parte, abrindo mão dos altos salários e dos benefícios que recebem”. Peterson Gasparini, 42, desempregado.

“Os trabalhadores estão recebendo descontos de 25%. Se o trabalhador comum pode, por que não os demais?”. Antônio Alves, 67, vigilante.

“Sou completamente favorável à redução. Há precariedade na saúde e a gente continua pagando imposto normalmente”. Roseli Aparecida de Lima, 46, copeira.

“Desde que mexam nos altos salários, eu concordo. Para os funcionários, mesmo comissionados, com salários menores, não sou a favor. Não custa, neste momento, tirar um pouquinho de quem recebe muito bem”. Claudia Menezes, 49, cabeleireira.

“O pessoal não está levando a sério e a coisa está grave. Quem pode fazer alguma coisa por nós são eles (representantes). Então, nada mais justo do que reduzirem salários e investirem na saúde”. Marcelo Britto, 43, auxiliar administrativo.

“Eu concordo. Muita gente teve o salário reduzido, por que não eles? Devem reduzir mesmo”, Márcia Gonçalves do Nascimento, 40, dona de casa.

“Eles precisam ajudar. A coisa está feia! O comércio fechado e várias firmas falindo. Quando as coisas voltarem, os salários deles podem voltar à mesma quantia”, Wilton Tavares de Brito, 46, manobrista.

“O Brasil inteiro está se empenhando nisso. Por que não eles que comandam a cidade? Também podem entrar nessa ao lado da população”, Marisa de Lima, 61, cozinheira.