Estadão

Ex-governador do Rio Grande do Norte, Geraldo Melo morre aos 86 anos

O ex-governador do Rio Grande do Norte Geraldo Melo morreu na madrugada deste domingo, 6, em Natal, aos 86 anos de idade, em decorrência de um câncer no pulmão.

O velório acontece no Cemitério Morada da Paz e as celebrações podem ser acompanhadas de forma online no site do cemitério. O sepultamento está marcado para às 16 horas, informou o filho Geraldo Melo Filho nas redes sociais.

Nascido em Campo Grande, Geraldo Melo foi vice-governador do Rio Grande do Norte entre 1979 e 1983, na chapa do governador Lavoisier Maia. Nos anos seguintes, contribuiu em campanhas de aliados políticos até que se elegeu governador pelo PMDB (hoje MDB) entre 1987 e 1991. Casado com a ex-prefeita de Ceará-Mirim Edinólia Melo, ele fez parte de sua vida política no município próximo a Natal.

Em 1993, se filiou ao PSDB e se tornou presidente estadual da sigla, cargo que permaneceu até 2008. Entre 1995 e 2003, Geraldo Melo também foi senador pelo Estado. O tucano coleciona uma série de homenagens importantes como a Grã-Cruz da Ordem do Rio Branco (1988) e a Medalha do Mérito Mauá (1989).

Em 2021, Melo se tornou um imortal na Academia Norte-riograndense de Letras (ANL), ocupando a cadeira 32. Ele é autor do livro de ficção Luzes e sombras do casarão: Alegrias e dores de "Seu" Tonho do Umbuzeiro (2020) e do folheto Nordeste: a ressurreição do óbvio.

Melo também era conhecido por realizar discursos memoráveis no Senado, dispostos na biblioteca da Casa. Em 2018, tentou retornar ao cargo de senador pelo PSDB, mas não foi eleito.

Em nota, o governo do Rio Grande do Norte, por meio da governadora Fátima Bezerra (PT), decretou luto por três dias e expressou pesar pelo falecimento. "Sua atuação política foi de importante destaque para o desenvolvimento do Estado", escreveu.

"Ao mesmo tempo em que lamenta o falecimento do ex-governador Geraldo Melo, o Governo do Rio Grande do Norte reconhece a trajetória única dele e estende as homenagens para os familiares.", completou.

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, Ezequiel Ferreira (PSDB), também emitiu nota de pesar pela morte do ex-governador. "Geraldo nos deixa um grande legado: o de fazer política fazendo amigos", afirmou em nota. "Um homem simples, de muitas palavras e muitas conquistas"