Estadão

Flexibilizações agitam noite de SP; festas começam mais cedo e terminam mais tarde

Após dois anos de pandemia, os jovens que ficaram em casa agora voltam a lotar bares, boates e casas de show da capital, chegando mais cedo e voltando mais tarde em busca de recuperar o "tempo perdido". O "after" depois das festas, apesar de existir há anos, também ganhou nova força diante da ansiedade para colocar o papo em dia e conhecer gente nova. A desobrigação do uso de máscaras, em março, foi o último sinal que a vida noturna precisava para voltar com toda a sua potência – ou pelo menos tentar.

"Esse tempo me fez crescer. Antes, tentava me encaixar onde ia, mas agora me entendo melhor. Troquei meus amigos, briguei com uns e me afastei de outros", lembra o bailarino Guilherme Zoboli, de 20 anos. Sua primeira balada foi em novembro, 15 dias depois de ter tomado a segunda dose da vacina, porque até então tinha medo de prejudicar a saúde dos pais de 46 e 56 anos, com quem mora em São Bernardo do Campo. "Gosto de conhecer gente nova e a pandemia me privou disso. Achei que ia morrer."

A maioria dos jovens admite ter se sentido confortável para retomar o convívio social e a vida noturna a partir da segunda dose de vacinação. "É muito mais por saber que, agora, a população está protegida e vacinada", comenta o designer mineiro Leandro Costa, de 26 anos, que se diz "muito baladeiro desde sempre", mas reconhece que algo mudou em si e na noite de São Paulo.

"Perdi muito tempo e quero ser mais feliz. Minhas prioridades mudaram. Agora saio para curtir as minhas amigas e não para ficar com alguém", conta Maria Gentil, de 22 anos. Na noite da primeira sexta-feira de abril, ela foi ao Lions Nightclub, balada tradicional na região central, acompanhada de três amigas. Elas se conheceram no curso de publicidade da ESPM e ficaram praticamente a pandemia toda sem se ver.

A volta das baladas atiçou um hábito curioso na noite de São Paulo, observado tanto por quem frequenta quanto por quem comanda as casas de show e boates: o público tem chegado mais cedo, saído mais tarde e consumido uma quantidade maior de álcool. "Hoje quero usar meu tempo de uma forma melhor", conta o fotógrafo Gustavo Ipólito, de 33 anos. "Sempre fui uma pessoa que saía mais cedo e voltava mais cedo. Hoje, costumo voltar de manhã."

Bares do centro que serviam de ponto para o "esquenta", antes de a noite começar, agora lotam até as primeiras horas da manhã, mesmo que boa parte do público tenha de ficar em pé na rua ou na calçada. São locais na Praça Roosevelt e no Largo de Santa Cecília.

Por definição, o "after" é tudo que vem depois da festa escolhida para aquela noite e pode acontecer tanto em uma segunda balada quanto na casa de alguém ou em um bar. A ideia é que a noite não tenha fim e, para isso, basta reunir os "mais chegados".

<b>RECUPERAÇÃO</b>

O <b>Estadão</b> acompanhou o movimento ao longo de uma noite no Lions Nightclub. A casa, que abre às 23h30 na sexta-feira, já estava praticamente lotada uma hora depois, e a fila do bar impunha uma espera de quase 15 minutos. Na pista, o público dançava sem máscara e sem muitas restrições.

O empresário Cacá Ribeiro, de 59 anos e um dos sócios da Lions, investe na cena noturna de São Paulo desde 1992 e conta que agora vê algo "impensável" anteriormente: um público disposto a chegar às 21h e se misturar com outras tribos. Nas baladas, não é mais tão raro assim ver a galera do techno se misturar a fãs de pop, à galera do rap ou a quem mais apareça, fusão mais encontrada na noite carioca e que agora começa a dar as caras por aqui. "Antes, cada noite tinha suas bordas bem definidas. Essas fronteiras agora estão ficando mais tênues. Sinto aumento de consumo, de fluxo e de mistura, e maior permanência. Os públicos estão mais misturados", comenta.

Empresários do setor noturno esperam que o prejuízo da pandemia seja recuperado em, no máximo, três anos. "Acho melhor retomar o trabalho e não fazer conta do passado, viver para o futuro", observa Facundo Guerra, empresário de 48 anos responsável por casas como o Cine Jóia e a nova versão do LAmour, que deve estrear este ano. "Tem gente que perdeu a vida. Se perdi só dinheiro e tempo, está ótimo."

As informações são do jornal <b>O Estado de S. Paulo.</b>