Cidades

Guarulhos realiza primeiro casamento coletivo

Prefeitura promoveu no domingo evento inédito na cidade

Pela primeira vez, a prefeitura, por meio da Coordenadoria do Fundo Social de Solidariedade, vai realizar um casamento coletivo, que vai unir 500 casais de diferentes religiões em uma cerimônia ecumênica. O matrimônio aconteceu no Ginásio Thomeozão, no Bom Clima, neste domingo, no Dia dos Namorados, a partir das 9h.

O casório será realizado com direito a bolo, foto, vestido para as noivas e bênção católica e protestante. Com exceção das alianças todos os procedimentos serão gratuitos para os noivos. Para cumprir um dos requisitos da Lei 6.343/07, que dispõe sobre o casamento coletivo, as despesas do evento serão cobertas através de parcerias entre o município com entidades privadas ou estatais, ou através de convênio com outros órgãos públicos.

De acordo com a presidente do Fundo Social de Solidariedade e primeira dama de Guarulhos, Lourdes Almeida, o casamento coletivo representa grande felicidade para quem não teve oportunidade de realizar o próprio matrimônio, mas que sempre teve a intenção de oficializar a relação. "A prefeitura não teve nenhum gasto financeiro para a realização do evento, nossa recompensa é ver o principal objetivo alcançado".

Os noivos já estão fazendo a assinatura dos proclamas no 2º Cartório de Registro Civil em Cumbica. A legalização oficial da união foi patrocinada pela empresa de telefonia e banda larga GVT (Global Village Telecom).
Segundo dados da igreja católica matriz, o casamento religioso custa cerca de R$ 540. A decoração, na Floricultura Beatriz, a partir de R$ 1.800. O valor do aluguel do vestido de noiva, a partir de R$ 300, na loja Paulete. O bolo na Maria Cereja vale R$ 31, o quilo. No cartório é cobrada a taxa de R$ 280, fora os trâmites de toda documentação.

"Troquei o marido pelo carro", comenta a vendedora de salgados, Tatiane Miguel de Morais, de 30 anos, que está amigada há 11 anos e tem três filhos. "Na época tínhamos juntado dinheiro para casarmos, mas surgiu uma oportunidade de comprarmos um carro, por isso decidimos adiar o casamento e demos entrada no automóvel".

As fotos dos noivos serão tiradas por um grupo de 15 fotógrafos voluntários.

Dia das noivas ameniza ansiedade

Mais de 70 noivas do casamento coletivo aproveitaram os serviços gratuitos de beleza, que a Coordenadoria do Fundo Social de Solidariedade ofereceu nesta sexta-feira.

Na ocasião, as professoras e alunas dos cursos profissionalizantes de cabeleireiro e manicure fizeram corte e tintura nos cabelos e as mãos das moças. Já os aprendizes do Centro de Terapias Naturais realizaram massagem.

A coordenadora do Centro de Terapia do Fundo Social, Andréia Valente Tarsitano, de 40 anos, acredita que a massagem feita nas noivas vai servir para tirar a ansiedade e o estresse provocados pela grandiosidade do evento. "O relaxamento proporciona o equilíbrio do corpo, da mente e das emoções".

A cabeleireira Cleide Santos, de 26 anos, optou em fazer a massagem corporal e dos pés – reflexologia. "Foi ótima a massagem, estou bem relaxada", comenta.

A cabeleireira mantém uma união estável há quatro anos e considera a oficialização do casamento importante para a estrutura da família.

Amigas há 20 anos, Gisele Andrade e Miriam Oliveira, moradoras do Jardim Presidente Dutra, chegaram às 8 horas para aproveitar todos os serviços disponíveis. "Não poderíamos pagar por eles. A administração municipal está de parabéns, estamos realizando nossos maiores sonhos", disse Miriam.

Vestido de Noiva

Para que as noivas não tivessem nenhuma despesa com roupas, o Fundo Social de Solidariedade conseguiu gratuitamente mais de 200 vestidos emprestados pelas lojas da cidade: Paulete, Maria Melo, Mirian Modas Butterfly e Mig Jóia de Noiva.

Na última segunda-feira, onze noivas do casamento coletivo fizeram a última prova de vestido na Mirian Modas Butterfly, loja de locação e vendas de trajes para noivos, damas de honra, pagens, debutantes e formandos.

De acordo com a dona da Mirian Modas Butterfly, Mirian Tavares, a experiência de custear as roupas para 60 casais trouxe grande emoção. "Há 16 anos que trabalho no ramo, nunca fiquei no meio de tantas noivas ao mesmo tempo. Ouvi uma história mais emocionante que a outra". Mirian explica que fez a escolha de cada vestido de acordo com o perfil da noiva.

Além dos vestidos, a Mirian Modas Butterfly também custeou os acessórios que serão utilizados pelas 60 noivas.

Segundo a coordenadora do projeto do Fundo Social de Solidariedade, Genilda Bernardes, alguns vestidos serão doados para o bazar do Fundo Social depois da realização do casamento coletivo. "As próprias lojas que fizeram parceria com a prefeitura, farão a doação dos determinados trajes".

Comentar

Clique aqui para comentar