Estadão

Maioria das Bolsas da Europa sobe, de olho em dados e BCE

As bolsas europeias fecharam majoritariamente em alta nesta quarta-feira, de olho em comentários de dirigentes do Banco Central Europeu e indicadores de economias do Velho Continente. A bolsa de Frankfurt, no entanto, contrariou o movimento geral, após as vendas no varejo alemão caírem bem além do esperado em julho.

O índice pan-europeu Stoxx 600 avançou 0,48%, aos 473,12 pontos, puxado pelo parisiense CAC 40, que subiu 1,18%, aos 6.758,69 pontos. Na bolsa francesa, a ação do Carrefour foi a maior dentre as poucas baixas do dia, após o investidor Bernard Arnault revelar que está vendendo sua fatia no grupo varejista. O papel da rede de supermercados teve baixa de 4,99%.

Já o índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, terminou o pregão em alta de 0,42%, aos 7.149,84 pontos, seguido pelo avanço de 0,66% do FTSE MIB, de Milão, aos 26.181,66 pontos.

Investidores ficaram atentos à divulgação de índices de gerentes de compras (PMIs, na sigla em inglês) industriais da zona do euro, Alemanha e Reino Unido, que caíram nas leituras finais de agosto, medidas pela IHS Markit. Apesar dos recuos, o setor de manufatura das três economias segue em expansão, acima de 50 pontos, ainda que em um ritmo mais fraco, segundo destaca a Oxford Economics em relatório.

Também foi divulgada a taxa de desemprego da zona do euro, que caiu a 7,6% em julho, como previsto. Na Alemanha, as vendas no varejo recuaram 5,1% entre junho e julho, bem abaixo da estimativa de queda de 0,9% no período de analistas consultados pelo <i>The Wall Street Journal</i>.

Para a Pantheon, o resultado reflete em parte efeitos de base, após os avanços de maio e junho, em meio à reabertura da economia alemã. A leitura do mês passado também não representa, necessariamente, uma diminuição nos gastos de consumidores, segundo a casa, uma vez que o consumo deve se concentrar no setor de serviços nos próximos meses. De qualquer forma, o dado de varejo pesou sobre a Bolsa de Frankfurt, cujo índice DAX recuou 0,07%, aos 15.824,29 pontos.

Operadores também acompanharam falas de dirigentes do BCE, incluindo da presidente Christine Lagarde, que enfatizou o compromisso da entidade com a mudança climática, ao afirmar que o tópico é um "componente importante" para a política monetária na zona do euro.

Vice-presidente do BCE, Luis de Guindos afirmou que o Programa de Compras Emergenciais da Pandemia (PEPP) será reavaliado na próxima reunião de cúpula do BCE, que ocorre na semana que vem. Para o presidente do Bundesbank e dirigente do BC comum, Jens Weidmann, o PEPP deve começar a ser reduzido, em meio à recuperação da economia europeia e a alta inflacionária da região.

Entre outros índices europeus, o madrilenho IBEX 35 fechou com ganhos de 1,64%, aos 8.991,50 pontos, e o PSI 20, da Bolsa de Lisboa, teve alta de 1,02%, aos 5.472,53 pontos.