Estadão

MPSP abre investigação contra Renato Kalil por denúncias de violência obstétrica

A Promotoria de Enfrentamento à Violência de Gênero, Doméstica e Familiar contra a Mulher, do Ministério Público de São Paulo, instaurou investigação criminal contra o médico obstetra Renato Kalil para apurar acusações de ao menos duas mulheres por violência obstétrica. O procedimento foi aberto nesta terça-feira, 14.

Após vazamento de áudio e vídeos em que relatava um caso de violência obstétrica que teria sofrido por parte do médico, a influenciadora Shantal Verdelho entrou com requerimento de inquérito policial para apurar os fatos ocorridos durante o parto de sua filha. Ela registrou o pedido na 27ª DP da cidade de São Paulo nesta terça-feira, 14, informou a assessoria em nota.

O Ministério Público informou, por meio de nota, que a notícia do fato foi encaminhada pela Procuradoria-Geral do MPSP – CAO Criminal. A partir da abertura do procedimento de investigação, a Promotoria começará a receber documentos e fará atendimento prioritário às vítimas, sem prejuízo de futura reunião feitos na hipótese de instauração de inquérito policial para investigação de fatos correlatos .

<b>Relembre o caso</b>

No conteúdo vazado de um grupo privado, a influenciadora Shantal conta que foi xingada pelo obstetra durante o parto e que ele falou de sua vagina para o marido de forma pejorativa. "Quando a gente assistia ao vídeo do parto, ele (Renato) me xingava o trabalho de parto inteiro. Ele fala: porr*, faz força. Filha da mãe, ela não faz força direito. Viadinha. Que ódio. Não se mexe, porr* ", conta Shantal no áudio.

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) abriu nesta segunda-feira, 13, um processo interno de apuração sobre as denúncias. Procurado pela reportagem acerca das acusações contidas nos áudios e vídeos, Renato negou e afirmou que tomará providências jurídicas por ataques à sua reputação , por meio de nota.

Em trecho do vídeo vazado, é possível ver o médico dizendo para Shantal fazer força soltando um palavrão, que ela rebate: "Eu estou fazendo. Eu sou a maior interessada nisso". O vídeo do parto foi gravado por seu marido, Mateus. "Depois que eu vi tudo, foi muito horrível. Quando mostrei o vídeo pra minha mãe e pra minha terapeuta, todo mundo chorou. Foi um show de horrores", diz a influenciadora na gravação.

Ela afirma, ainda, que o médico a teria rasgado com a mão pois tinha a intenção de provar que ela deveria fazer a episiotomia, um procedimento que consiste em uma incisão no períneo, região entre o ânus e a vagina, para facilitar a passagem do bebê.

Na gravação, diz que o médico falou de suas partes íntimas ao marido. "Ele chamou meu marido e disse: olha aqui, ela está toda arrebentada, vou ter que dar um monte de ponto na parereca dela . Ele falava: olha aí onde você faz sexo, está tudo fodid* . Ele não tinha que mostrar isso pro Mateus, ele nem sabia se a gente tinha essa intimidade", desabafa no áudio.

<b>COM A PALAVRA, O MÉDICO RENATO KALIL</b>

A reportagem entrou em contato com a assessoria do médico obstetra Renato Kalil e, até a publicação desta matéria, ainda aguardava resposta. O espaço está aberto para manifestações.