Economia

Odebrecht TransPort associa-se à Mitsui em nova empresa

A Odebrecht TransPort, do Grupo Odebrecht, anunciou na tarde desta quinta-feira, 6, uma associação com a Mitsui & Co., Ltd., uma das maiores trading companies japonesas, na criação de uma empresa de mobilidade urbana, com o objetivo de intensificar a atuação de ambas nesse segmento.

A Odebrecht Mobilidade é formada pelas participações da Odebrecht TransPort em quatro negócios estratégicos – SuperVia (RJ), Move São Paulo (SP), VLT Carioca (RJ) e VLT de Goiânia (GO) – e pelo aporte de R$ 500 milhões da Mitsui para injeção primária em novos investimentos. Com isso, os grupos terão respectivamente 60% e 40% da nova empresa.

“A associação com a Mitsui traz para o Brasil conhecimento, inovação e tecnologias de uma grande empresa internacional nesse setor e abre canais de diálogo com empresas japonesas de primeiro nível”, afirmou o presidente da Odebrecht TransPort, Paulo Cesena, por meio de nota.

Anteriormente, a Odebrecht TransPort também acertou parceiras internacionais em outros modais, como a Changi, empresa de Cingapura sócia da OTP na concessão do aeroporto do Galeão, e a DPWorld, operador portuário sócio na Embraport, terminal no Porto de Santos. “Esta é uma das nossas características: atraímos sócios estrangeiros que agregam expertise e valor aos nossos negócios, e que também trazem para o Brasil tecnologias e experiências de sucesso em outros países”, disse Cesena.

A Odebrecht salienta que a parceria com a Mitsui representa entrada de capital externo para desenvolver projetos em um dos setores que mais necessitam de investimentos no Brasil e que figuram entre as prioridades nas grandes cidades. “As necessidades da população em mobilidade urbana são conhecidas. As oportunidades estão à nossa vista. Com o apoio e conhecimento da Mitsui, queremos contribuir fortemente para encontrar soluções de interesse público”, declarou o presidente da Odebrecht Mobilidade, Gustavo Guerra, também por meio de nota.

A operação ainda será submetida à apreciação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Dos quatro ativos que passarão a ser operados pela Odebrecht Mobilidade, três projetos estão em implantação (Move São Paulo – linha 6 de metrô em São Paulo, VLT Carioca e VLT de Goiânia) e um em funcionamento (SuperVia).

A Move São Paulo é a concessionária responsável pela Linha 6 de metrô na cidade de São Paulo, que ligará a zona noroeste à região central. São 15 estações em 15,3 km. Já a concessionária VLT Carioca (RJ) é responsável pela construção e operação do sistema de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que ligará a zona portuária do Rio de Janeiro ao centro e ao Aeroporto Santos Dumont e faz parte da solução de mobilidade para os Jogos Olímpicos de 2016.

De maneira similar, a VLT de Goiânia (GO) responde pela construção e operação do VLT que ligará os extremos oeste e leste da capital de Goiás, com 13,6 km de extensão, 12 estações e 5 terminais de integração. Já a Supervia, opera o serviço de trens urbanos da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e está sob administração da Odebrecht TransPort desde 2011 e atualmente passa por um programa de renovação da frota.

Quando estiverem em plena operação, as concessionárias com participação acionária da Odebrecht Mobilidade terão capacidade para transportar 3,2 milhões de passageiros por dia e administrarão 300 km de malha metroferroviária. Os empreendimentos devem receber cerca de R$ 17 bilhões de investimentos até 2020 e gerar mais de 14 mil empregos diretos durante as obras.

Comentar

Clique aqui para comentar