Estadão

Paes demite grevistas por descumprirem liminar para restabelecer serviço de BRT

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), anunciou que começará a demitir os funcionários do BRT – sistema de ônibus articulados do Rio de Janeiro – que estão em greve. Eles permanecem em paralisação na manhã deste sábado, 26, contrariando a decisão do Tribunal do Trabalho, que determinou o retorno ao funcionamento de pelo menos 80% da frota.

A prefeitura do Rio informou, em nota à imprensa, que foram identificadas oito pessoas que estariam liderando o movimento do sistema BRT. "Os responsáveis serão notificados ainda neste sábado, dia 26, sobre suas demissões por justa causa, em razão da ilegalidade do movimento e do não comparecimento ao trabalho", diz o comunicado.

Os motoristas reivindicam reajustes salariais e melhores condições de trabalho. A Prefeitura do Rio informou que não houve "qualquer aviso prévio" e que a greve é ilegal.

"Infelizmente, vamos ter que começar a fazer as primeiras demissões por justa causa em razão da ilegalidade da paralisação e do não comparecimento ao trabalho", publicou Paes em suas redes sociais, após reunião, na manhã deste sábado com a direção da Mobi-Rio, empresa pública atualmente responsável pela administração do sistema BRT. "Além disso, conversei com o ministro da justiça solicitando a entrada da polícia federal no caso uma vez que cada vez são mais fortes os indícios de crime federal de locaute. A população carioca não pode ser desrespeitada por interesses escusos", completou o prefeito.

Segundo Eduardo Paes, os trabalhadores que aderiram à paralisação receberam as verbas indenizatórias a que tinham direito no desligamento da empresa concessionária anterior, foram recentemente contratados pela Mobi-Rio, estão recebendo os salários em dia e a paralisação já foi considerada ilegal pela Justiça do Trabalho.

O descumprimento da decisão judicial de restabelecimento do serviço previa pena de multa diária de R$ 100 mil. A paralisação, que teve início na madrugada desta sexta-feira, 25, sucede a encampação do serviço, anunciada pelo prefeito Eduardo Paes na semana passada. Assinado em 2010, o contrato de concessão do BRT estava previsto para terminar apenas em 2030, mas a Prefeitura alegou falhas na prestação do serviço – há anos que usuários reclamam das condições ruins dos ônibus.

"A Mobi-Rio, empresa pública gestora do serviço, vai entrar com uma petição na justiça para que seja iniciada a cobrança da multa diária de R$ 100 mil reais. A prefeitura orienta ainda a população para que procure alternativas de transporte público para locomoção, como ônibus urbanos, trens e metrô", comunicou a Prefeitura, em nota oficial.

Um plano de contingência prevê o funcionamento de algumas linhas do sistema, na tentativa de reduzir os transtornos causados pela greve.

O sindicato que representa os trabalhadores de empresas de transporte rodoviário informou, em nota, "que não deliberou, nem deflagrou a paralisação do sistema BRT-Rio".

"Tudo indica que o congelamento dos salários há mais de 3 anos, que já afeta a subsistência das famílias dos trabalhadores, gerou um acúmulo de insatisfação e ansiedade que precipitou essa paralisação espontânea", justificou o Sintrucad-Rio, na nota.

O sindicato afirmou que negociava com a Prefeitura, desde novembro do ano passado, um acordo coletivo para que todos os funcionários da antiga concessionária fossem automaticamente contratados pela nova gestão, comandada pela Mobi-Rio, "inclusive os que estão afastados pelo INSS".

"Em uma democracia, decisão judicial é para ser cumprida e não discutida, e em seguida se recorre", alertou o presidente do Sindicato dos Rodoviários do Rio de Janeiro, Sebastião José, em nota distribuída à imprensa na sexta-feira, em que disse ter sido tão surpreendido quanto os usuários do BRT com a notícia da paralisação dos motoristas.

Sebastião considera "importante e prudente" que os grevistas cumpram a decisão judicial, mas defende a reabertura imediata das negociações para que se atenda à pauta de reivindicações dos trabalhadores.

A falta de BRTs causa transtornos no trânsito da cidade, em especial na zona oeste, deixando muitas pessoas sem conseguir se deslocar. O município entrou em estágio de mobilização – o segundo nível numa escala de cinco – devido a problemas de mobilidade na cidade.

Na sexta, o prefeito Eduardo Paes culpou os empresários de ônibus que perderem as concessões pela greve. "Tem empresário de ônibus insatisfeito com a encampação e usando trabalhadores do BRT para tentar reconquistar a concessão. Lamento informar que não serão bem sucedidos. Vamos prosseguir. Estamos trabalhando para restabelecer o sistema", escreveu em sua conta no Twitter.