Início » ‘Para Miguel, com amor’, que estreia nesta terça, mistura romance, paixão por livros e migração nordestina
Cinema

‘Para Miguel, com amor’, que estreia nesta terça, mistura romance, paixão por livros e migração nordestina

Como livros antigos, de um sebo, inspiraram o diretor desse longa, que estreia no Festival Filme Possível

O Festival de Cinema “Filme Possível”, evento 100% online e gratuito viabilizado pelo Funcultura de Guarulhos e pela Lei Aldir Blanc, exibe gratuitamente o longa-metragem “Para Miguel, com amor”, em seu canal no YouTube, a partir das 19h desta terça-feira, 30/03. A produção ficará disponível na plataforma até o dia 7 de abril.

Logo depois da estreia, às 20h30, haverá uma live com o diretor do longa-metragem, Daniel Neves, o produtor Guilherme Severo e a crítica de cinema e roteirista Lorenna Montenegro.

Inspirado na paixão que Neves nutre por livros, “Para Miguel, com amor” conta a história de Bernardo, que, após ler uma dedicatória apaixonada em um livro misterioso, num sebo de Guarulhos, resolve entrar numa aventura em busca dos acontecimentos por trás daquela declaração. A trama descoberta por Bernardo mistura amores, desamores e migração nordestina. E foi o único longa-metragem produzido em Guarulhos em 2020.

O diretor, que é de Guarulhos, contou que ele próprio é um assíduo frequentador de sebos e sempre compra livros antigos por dois motivos: pelo baixo custo e pelo charme destas publicações, que, segundo ele, também acabam carregando marcas das pessoas que já as leram.

Desta forma, em 2016, quando adquiriu o livro “Cem Anos de Solidão”, do escritor colombiano Gabriel García Márquez (1927-2014), num sebo no centro de Guarulhos, Neves começou a idealizar “Para Miguel, com amor”.

“Eu achava um ou outro livro com dedicatórias, de 20, 30, 40 anos atrás. Muitas vezes, a dedicatória tinha a ver com a própria história do livro. Então, as coisas se misturavam. A pessoa estava dando aquele livro porque tinha algo a ver com uma situação que ela havia vivido com o presenteado: uma história de amor ou familiar… então, comecei a me perguntar o que havia por trás de tudo aquilo. A literatura tem este poder de nos levar para vários lugares. Você entra numa viagem mesmo”, contou o cineasta.

No entanto, segundo o diretor, faltava algo para que estes seus questionamentos virassem um filme. Depois de um tempo pensando no assunto, ele resolveu misturar a narrativa de nordestinos residentes em Guarulhos à sua inspiração iniciada no sebo.

“Sempre escutei muito, pesquisei e fiz trabalhos relacionados aos ‘causos’ nordestinos. Então, estas histórias populares se incorporaram à minha curiosidade por dedicatórias e comecei a desenvolver o longa”, explicou.

Inspiração no nordeste brasileiro

“Para Miguel, com amor” não é a primeira obra realizada por Neves inspirada em histórias de nordestinos que migraram para o sudeste. Integrante do coletivo cinematográfico Companhia Bueiro Aberto, o diretor já participou de 54 produções, seja na direção ou em outras funções.

Destes filmes, o cineasta destacou três longas-metragens que possuem este olhar muito forte para a cultura popular nordestina: “Cantoria Urbana”, “Minhas Composições” e “Numa Roda de Choro”.

“Cantoria Urbana” aborda o repente nordestino e a viola caipira em Guarulhos. Para realizar esta produção, Neves e equipe entrevistaram diversas pessoas que saíram do nordeste para residir na Grande São Paulo.

Já “Minhas Composições” mostra toda a trajetória e o processo criativo da poetisa nordestina Maria Barros de Jesus, moradora do bairro de Bonsucesso, em Guarulhos, autora do livro que possui o mesmo nome do documentário.

Por fim, “Numa Roda de Choro” fala sobre a paixão musical da família cearense Macambira, residente no bairro Inocoop, também na periferia de Guarulhos. Disponível no YouTube, o documentário tem 32 minutos de duração, com muita música e conversa sobre como o estilo choro entrou na vida dos integrantes da roda.

“Tanto no ‘Para Miguel, com amor’ como nestas obras, há uma narrativa popular muito forte. Além da literatura que citei, o Brasil também tem uma cultura da oralidade bastante presente. Esta oralidade constrói uma identidade e mantém viva a memória de pessoas que colaboraram e colaboram para a construção desta Guarulhos que conhecemos hoje”, finalizou Neves. 

Serviço

“Para Miguel, com amor”

Direção: Daniel Neves

Terça-feira, 30 de março, às 19h (fica disponível até 7/04)

Onde assistir: Canal do Festival FILME POSSÍVEL no YouTube