Estadão

Soldados resistem em Mariupol após fim do prazo de rendição dado pela Rússia

Soldados ucranianos pareciam desafiar um ultimato russo de abaixar as armas até este domingo, 17, no porto cercado de Mariupol, cidade que a Rússia diz ter tomado quase completamente no que seria sua maior conquista nos quase dois meses de guerra na Ucrânia.

A Rússia deu um prazo para que os ucranianos cercados em uma siderúrgica se rendessem até 6h locais (0h de Brasília). "Todos aqueles que abandonarem suas armas terão a garantia de salvar suas vidas. É sua única chance", disse o Ministério da Defesa russo no Telegram.

Mas até o momento não há sinais de rendição dos combatentes escondidos na siderúrgica Azovstal, com vista para o Mar de Azov. Em entrevista à imprensa americana, o primeiro-ministro da Ucrânia, Denis Shmigal, disse que "as forças ucranianas em Mariupol lutarão até o final".

Os militares russos estimaram que cerca de 2.500 combatentes ucranianos resistem na enorme usina siderúrgica, que possui um labirinto de passagens subterrâneas e forneceram o último bolsão de resistência em Mariupol.

O presidente ucraniano Volodmir Zelenski reconheceu no sábado, 16, que as forças ucranianas que ainda defendem Mariupol controlam apenas uma pequena parte da cidade e enfrentam uma força mais bem equipada que é seis vezes maior que a sua.

Citando interceptações de rádio, o Ministério da Defesa da Rússia disse que os defensores cercados, incluindo 400 "mercenários estrangeiros", tinham ordens para atirar em qualquer um que quisesse desistir. Não houve nenhum comentário sobre isso do governo da Ucrânia.

Tendo falhado em superar a resistência ucraniana no norte, os militares russos reorientaram sua ofensiva terrestre na região leste de Donbas, mantendo ataques de longa distância em outros lugares, incluindo a capital, Kiev.

<b>Ataques em Kiev e arredores</b>

Em um lembrete de que nenhuma parte da Ucrânia estava imune até o fim da guerra, as forças russas realizaram novos ataques com mísseis neste domingo perto de Kiev e em outros lugares, em um aparente esforço para enfraquecer a capacidade militar da Ucrânia antes do ataque antecipado no leste.

O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, disse que um ataque no sábado contra o que o Ministério da Defesa da Rússia identificou como uma fábrica de veículos blindados matou uma pessoa e feriu várias. Ele aconselhou os moradores que fugiram da cidade no início da guerra a não retornarem.

Os militares russos também afirmaram no domingo ter destruído radares de defesa aérea ucranianos no leste, perto de Sievierodonetsk, bem como vários depósitos de munição em outros lugares. Explosões foram relatadas durante a noite em Kramatorsk, uma cidade do leste onde foguetes mataram pelo menos 57 pessoas em uma estação de trem lotada de civis tentando evacuar antes da esperada ofensiva russa.

O cerco em curso e o bombardeio implacável de Mariupol tiveram um custo terrível, com autoridades estimando que os russos mataram pelo menos 21.000 pessoas. Apenas 120.000 pessoas permanecem na cidade, de uma população de 450.000 antes da guerra.

A captura de Mariupol liberaria as forças russas para enfraquecer e cercar as forças ucraniano no leste, onde a Rússia concentrou seus objetivos de guerra por enquanto e está enviando pessoal e equipamentos retirados do norte após uma tentativa fracassada de tomar Kiev.

A vice-ministra da Defesa ucraniana, Hanna Maliar, descreveu Mariupol como um "escudo defendendo a Ucrânia", enquanto as tropas russas se preparam para uma ofensiva em grande escala em Donbas, o centro industrial do leste do país, onde separatistas apoiados por Moscou já controlam parte do território.

Maliar disse que os russos continuam a atingir Mariupol com ataques aéreos e podem estar se preparando para um pouso anfíbio para reforçar suas forças terrestres.

<b>Mariupol como primeiro sucesso russo</b>

Capturar a cidade com uma área de terra com cerca de metade do tamanho de Hong Kong marcaria o primeiro sucesso palpável da Rússia após dois meses de combates e ajudaria a tranquilizar o público russo em meio ao agravamento da situação econômica das sanções ocidentais.

Isso permitiria à Rússia garantir um corredor terrestre para a Península da Crimeia, que o país anexou da Ucrânia em 2014, e privaria os ucraniano de um importante porto e ativos industriais valiosos.

A apreensão de Mariupol também deixaria mais tropas disponíveis para uma nova ofensiva no leste, que, se bem-sucedida, daria ao presidente russo Vladimir Putin uma posição de força para pressionar a Ucrânia a fazer concessões.

Até agora, os túneis da siderúrgica Azovstal, que cobre uma área de mais de 11 Km², permitiram que os defensores se escondessem e resistissem até ficarem sem munição.

Com a Rússia aparentemente pronta para declarar vitória, o presidente Zelenski disse que a queda da cidade pode atrapalhar qualquer tentativa de uma paz negociada. "A destruição de todos os nossos homens em Mariupol – o que eles estão fazendo agora – pode acabar com qualquer formato de negociação", disse Zelenski em entrevista a jornalistas ucranianos.

Em seu discurso à nação, Zelenski pediu ao Ocidente que envie mais armas pesadas imediatamente se houver alguma chance de salvar a cidade, acrescentando que a Rússia "está deliberadamente tentando destruir todos que estão lá".

<b>Ataques em Kharkiv</b>

Como Mariupol, a cidade de Kharkiv, no nordeste do país, tem sido um alvo contínuo da agressão russa desde os primeiros dias da invasão e viu as condições se deteriorarem antes da ofensiva no leste.

Vários foguetes atingiram o centro de Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, no domingo, segundo jornalistas da Associated Press que estavam lá. Pelo menos duas pessoas morreram e outras quatro ficaram feridas, embora a escala do ataque sugerisse que o número poderia aumentar.

O ataque atingiu prédios de apartamentos e deixou vidros quebrados, detritos e parte de pelo menos um foguete espalhado na rua. Bombeiros e moradores se esforçaram para apagar as chamas em vários apartamentos que pegaram fogo.

No sábado, três pessoas morreram e 34 ficaram feridas quando uma explosão que se acredita ter sido causada por um míssil explodiu perto de um mercado ao ar livre, disse o prefeito Ihor Terekhov. Autoridades locais disseram que 10 pessoas morreram em ataques com foguetes em áreas residenciais de Kharkiv na sexta-feira.

<i>(Com agências internacionais)</i>