Estadão

Dólar cai com PEC dos Precatórios e IBC-BR fraco no radar antes do Fed

O dólar opera em baixa na manhã desta quarta-feira (15) e registrou mínima a R$ 5,660 (-0,59%) no mercado à vista, após três altas seguidas. O alívio precifica a aprovação em primeiro turno na Câmara dos Deputados das mudanças feitas por senadores na PEC dos Precatórios. Destaques e o segundo turno da PEC devem ser votados em sessão da Câmara marcada para começar nesta manhã.

Ajuda também a queda leve do índice DXY, que compara o dólar ante pares principais, puxada por realização parcial após alta na véspera, em ambiente de espera pelo desfecho da reunião do Fed e da entrevista coletiva do seu presidente Jerome Powell, após o fim do encontro à tarde. A expectativa é de que o Fed deve anunciar aceleração do processo de "tapering" nos Estados Unidos, de acordo com as projeções de analistas do mercado.

Mas o ajuste para baixo frente o real é limitado pelos sinais mistos e volatilidade do dólar ante divisas emergentes e ligadas a commodities no exterior, como peso mexicano, que tem forte correlação com o real, com investidores no aguardo de sinais sobre o rumo da política monetária americana. Pesam também os dados divergentes de produção industrial na China, melhores que o esperado, e de vendas no varejo, abaixo das expectativas dos economistas, em cenário de incertezas sobre a variante Ômicron do coronavírus.

Os investidores monitoraram também o IBC-Br de outubro, que teve queda de 0,40%, idêntica à mediana das estimativas colhidas pelo <i>Projeções Broadcast</i>. Em setembro, o recuo havia sido de 0,46% (dado revisado hoje).

De setembro para outubro, o índice de atividade calculado pelo BC passou de 137,42 pontos para 136,87 pontos na série dessazonalizada. Este é o menor patamar desde setembro de 2020 (135,95 pontos). Em outubro passado, os dados setoriais tiveram nova rodada de deterioração. O desempenho da indústria (-0,60%), do varejo ampliado (-0,90%) e dos serviços prestados (-1,20%) ficou, mais uma vez, aquém das expectativas do mercado financeiro. Na comparação entre os meses de outubro de 2021 e de 2020, houve retração de 1,48% na série sem ajustes sazonais. Esta série registrou 137,78 pontos no décimo mês, o pior desempenho para o período desde 2017 (135,99 pontos).

A projeção atual do BC para a atividade doméstica em 2021 é de crescimento de 4,7%, segundo o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de setembro. O próximo RTI será divulgado amanhã (16).

Às 9h33 desta quarta-feira, o dólar à vista caía 0,44%, a R$ 5,6680. O dólar futuro para janeiro recuava 0,26%, a R$ 5,6880.

Tags