Economia

Em dia de dólar forte e liquidez baixa, taxas futuras encerram em leve alta

As taxas dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) encerraram em leve alta esta segunda-feira, 30, de dólar forte e bolsas em queda. A liquidez baixa, observada pela manhã, continuou no turno da tarde como previsível por conta do feriado amanhã.

Assim como no fim de semana, o noticiário foi escasso. Para a gestora de renda fixa da Mongeral Aegon Investimentos, Patrícia Pereira, a influência das novidades da cena política foi neutra para “ruim” no mercado hoje. “As notícias envolvendo o presidente Michel Temer não foram boas”, afirmou a gestora, referindo-se aos cancelamentos da viagem à Ásia e também de sua participação na Agrishow nesta segunda-feira. Um depoimento à Polícia Federal de Maristela Temer, filha do presidente, está marcado para quinta-feira. Ela irá depor sobre pagamentos da reforma de sua residência, supostamente feitos pelo seu amigo, coronel João Baptista Lima. A suspeita é de lavagem de dinheiro de propina.

Do noticiário internacional, o destaque do dia foi o dado de inflação dos Estados Unidos, que veio dentro do esperado. Para a gestora da Mongeral Aegon, o indicador demonstra que, “finalmente, os números estão convergindo para a meta do Fomc Comitê Federal de Mercado Aberto”. “O importante é que os dados confirmam no plano de voo do banco central americano”, disse Patrícia. Na quarta-feira, o Federal Reserve vai divulgar a decisão de política monetária desse mês.

Nesse contexto, o DI para janeiro de 2019 encerrou a sessão regular a 6,225% ante 6,214% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2020 ficou em 6,96%, máxima, ante 6,911% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2021 encerrou a 7,96%, máxima, ante 7,902% no ajuste anterior . O DI para janeiro de 2023 exibiu a 9,16% ante 9,112% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2025 encerrou a 9,69% ante 9,642% no ajuste de sexta-feira.