Estadão

Marcelo Ramos: Bolsonaro ameaça, em fala, fechar Congresso; e isso exige reação

Por trás das falas do presidente Jair Bolsonaro sobre a realização das eleições em 2022 está uma ameaça ao Legislativo, e isso exige reação. A avaliação é do vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM). "Não ter eleição em 2022 significa fechar o Congresso em 1º de fevereiro de 2023, quando acabam nossos mandatos", disse Ramos ao <i>Broadcast</i>, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. "Por trás da fala do presidente há uma ameaça de fechamento do Congresso, e isso exige reação do Parlamento", acrescentou.

No início da noite desta sexta-feira, 9,, por meio de sua conta no Twitter, Ramos disse que a realização das eleições não é uma prerrogativa de Bolsonaro e que está garantida pela Constituição Federal. "Não é o presidente da República que decide ou escolhe se tem eleição ou não tem eleição. Quem decide se tem e quando tem eleição é a Constituição Federal" afirmou.

Ramos cobrou ainda uma reação dos Poderes Legislativo e Judiciário, e também das Forças Armadas, em relação ao tom das declarações de Bolsonaro, que tem dito que não aceitará o resultado das eleições sem que haja voto impresso.

"Quando o presidente da República afronta esta Constituição Federal, colocando em xeque a realização das eleições, não é dado ao Poder Legislativo, ao Poder Judiciário e às Forças Armadas escolher de que lado ficar. Eles têm o dever de ficar ao lado da Constituição que juraram respeitar e defender", afirmou o deputado.