Estadão

Polônia se nega a jogar repescagem contra Rússia e tem apoio de Lewandowski

A seleção polonesa não pretende disputar o duelo da repescagem para a Copa do Mundo contra a Rússia, marcada para 24 de março em Moscou, anunciou o presidente da Federação Polonesa, Cezary Kulesza, neste sábado (26), no Twitter.

"Chega de falar, é hora de agir. Devido à escalada de agressão da Rússia na Ucrânia, a seleção polonesa não pretende jogar o play-off contra a equipe russa", disse Kulesza, acrescentando que "esta é a única decisão correta e que está em comunicação com as federações de futebol da Suécia e da República Checa para apresentar uma posição comum à Fifa".

Suécia e República Checa também podem ter de viajar para Moscou em 29 de março, para a final da repescagem, se a Rússia se classificar no dia 24 na partida contra a Polônia. Na última quinta-feira, os dirigentes poloneses, checos e suecos já haviam descartado jogar em território russo.

Na sexta-feira, o mundo do esporte impôs várias sanções contra a Rússia, após a invasão da Ucrânia. Entre elas, estão o cancelamento de São Petersburgo como sede da final da Liga dos Campeões e o do Grande Prêmio de Fórmula 1 que seria realizado em Sochi, em setembro.

LEWANDOWSKI SE POSICIONA – Mais tarde, quem se manifestou sobre o tema foi o centroavante polonês Robert Lewandowski. O melhor jogador do mundo, que atua no alemão Bayern de Munique, corroborou com a ideia do presidente da Federação Polonesa.

"É a decisão certa! Não consigo imaginar jogar uma partida com a seleção russa em uma situação em que a agressão armada na Ucrânia continua. Os jogadores e torcedores russos não são responsáveis por isso, mas não podemos fingir que nada está acontecendo", escreveu o atacante em seu perfil nas redes sociais.