Economia

Projeto encontra resistências dentro do governo

Não há consenso dentro do governo em torno da proposta de aprovação de um mandato duplo para o Banco Central (controle de inflação e o crescimento). Apesar do debate interno na equipe econômica, o líder do governo no Senado, senador Romero Jucá (MDB-RR), vai apresentar um projeto de lei complementar de autonomia ampla para o BC. O assunto foi discutido ontem entre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente do BC, Ilan Goldfajn, durante almoço. Em 2016, quando aceitou integrar o governo, Meirelles apresentou três condições. Uma delas foi justamente o apoio do governo para autonomia do BC. As outras duas condições foram a reforma da Previdência e participar das escolhas para a presidência do BNDES e Petrobrás.

A proposta já começou a ser costurada com o presidente do BC há algum tempo. Ilan quer deixar a sua marca como presidente que conseguiu a autonomia, uma proposta polêmica que já entrou e saiu da agenda por várias vezes, mas não emplacou.

Segundo fontes, uma das resistências ao duplo mandato seria a dificuldade de acertar um indicador para servir de referência ao crescimento e emprego.

Como estratégia de negociação, Jucá incluiu itens na proposta que podem ser retirados durante a votação. O projeto também prevê a autonomia financeira ao BC, mas há resistências no governo, porque daria à autarquia um tratamento diferenciado: se desvincularia do Ministério da Fazenda e teria um orçamento apartado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.