Cidades

TRÂNSITO – Empreendimentos não fazem compensações viárias

Guarulhos - não por acaso - se tornou aterra do tudo pode. E o que não pode, a fiscalização - via de regra -, dependendo dos interesses implicados, não enxerga o óbvio. Há absurdos flagrantes.

No empreendimento Único Guarulhos, construído ao lado da avenida Guarulhos, na Ponte Grande, apesar das 2.380 unidades distribuídas em 17 torres de 17 andares, nenhuma compensação viária foi necessária para a aprovação da obra. Hoje, uma população estimada em 10 mil pessoas tem apenas uma avenida estreita para se deslocar para o outro lado da rodovia Presidente Dutra, já que as únicas obras viárias realizadas pelo empreendedor se restringem ao acesso ao próprio conjunto de prédios.

Na avenida Brigadeiro Faria Lima mais um exemplo de falta de planejamento viário. O condomínio Fatto Sport conta com seis torres e 912 unidades, com uma vaga de garagem cada uma. Todo esse contingente foi despejado de uma só vez na única ligação entre a região do Bom Clima e do Cocaia, sem qualquer medida para aliviar o trânsito da região. Resultado: a já congestionada Faria Lima se encontra, em diferentes horários, quase intransitável.

A falta de compensação viária é flagrante. O Premium Guarulhos, no Macedo, conta com seis torres e 500 apartamentos em frente à praça Gilberto Van Mills, a praça das Pedras, ponto de confluência de vários bairros da região. A única obra realizada pela construtora responsável foi o alargamento de uma pista na rua Josefa Tepasse Kratz, sendo que o espaço a mais serve para estacionamento de veículos. Ou seja, cerca de 500 veículos são despejados a mais no local todos os dias. 

Leia mais:

Arrecadação com multas em 2013 passa de R$ 45 milhões

Governos do PT levaram o trânsito ao caos

Empreendimentos não fazem compensações viárias

Sistema parado no tempo

Soluções paliativas não resolvem problemas