Início » Vai em paz, Thomaz Alckmin
Opinião

Vai em paz, Thomaz Alckmin

O Brasil viveu ontem e anteontem, coincidentemente durante os dois dias mais marcantes para o cristianismo, que representam a paixão e morte de Jesus Cristo, uma grande comoção pela perda precoce de Thomaz Alckmin, filho do governador Geraldo Alckmin e uma das cinco vítimas do trágico acidente com um helicóptero em Carapicuíba. As mortes, ainda mais em acidentes, causam muita dor nos entes queridos e pessoas próximas. Não é fácil para ninguém perder alguém, de forma tão inesperada. 
 
No caso de Thomaz, um jovem às vésperas de completar 32 anos, ainda cheio de sonhos, que acabava de ter uma filha, chamou bastante a atenção da sociedade por ele ser o filho do governador. Tantos outros morrem às centenas todos os dias, das mais diferentes causas, mas acabam sendo apenas números em estatísticas. Muitos são vítimas da violência, de doenças e também de acidentes dos mais diversos tipos. 
 
O ser humano, em sua maioria, não está acostumado a lidar com perdas. Diferentes religões, filosofias de vida e outras teorias tentam – de formas diferentes – lidar com o tema, em busca de explicações e de conforto para quem fica. Há quem acredite em final de um ciclo, em uma passagem para outro plano espiritual, entre outras definições. 
 
Para quem fica, independente de ser o governador de São Paulo ou o pai do mecânico que também se foi no mesmo desastre, fica a sensação do inexplicável, fica uma dor terrível que dificilmente será sanada. Ficam feridas que só o tempo poderá cicatrizá-las. Fica a sensação de que poderia ser diferente, mas não foi. 
 
Pegando pelo cristianismo, que este “Sábado de Aleluia”, em que se festeja a ressurreição de Jesus Cristo, sirva para que cada um – que de alguma forma sentiu a mesma dor do governador – faça renascer em seus corações o sentido da esperança, do renascimento. Que a perda de Thomaz (e de tantos outros que partiram cedo demais) signifique um novo momento em nossas histórias de vida. Que repesente o que Jesus sempre pregou: é necessário morrer para renascer.
   

Comentar

Clique aqui para comentar