Início » Depois de pressão de Guti, Anvisa anuncia ações mais efetivas no Aeroporto de Guarulhos
Política

Depois de pressão de Guti, Anvisa anuncia ações mais efetivas no Aeroporto de Guarulhos

Depois que o prefeito de Guarulhos, Guti, solicitou ao Governo Federal medidas mais efetivas para a entrada de passageiros estrangeiros no Aeroporto Internacional, sugerindo até mesmo o fechamento do espaço aéreo, o Ministério Público Federal (MPF) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciam uma nova postura para evitar a proliferação de novas variantes do coronavírus no Brasil, como a indiana.  

MPF e Anvisa atuam em conjunto para tornar mais efetivas as medidas previstas na portaria 654, de 28 de maio último e assinada pelos ministros da Casa Civil, da Saúde e da Justiça e Segurança Pública. De acordo com o documento, estrangeiros não podem ingressar no país por via terrestre ou hidroviária, mas podem fazê-lo por via aérea, desde que sejam observadas algumas medidas de segurança epidemiológica. 

Antes do embarque, o viajante brasileiro ou estrangeiro deve apresentar à companhia aérea comprovação de que realizou o teste RT-PCR, com resultado negativo. Além disso, deve preencher online a Declaração de Saúde do Viajante. Ambos os documentos devem ser providenciados 72 horas antes do voo. 

Segundo a portaria 654, devem fazer quarentena obrigatória de duas semanas os viajantes que estiveram no Reino Unido (incluindo Irlanda do Norte), na África do Sul e na Índia no prazo de 14 dias anteriores ao desembarque no Brasil. Se houver descumprimento, o infrator fica sujeito a responsabilização civil, administrativa e penal, se for brasileiro; repatriação ou deportação imediata e inabilitação de pedido de refúgio, caso seja estrangeiro. 

O MPF e a Anvisa realizaram duas reuniões para discutir as providências cabíveis; a última videoconferência ocorreu em 31 de maio. Na ocasião, Nélio Cézar de Aquino, gerente-geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados da Anvisa, comprometeu-se a dar total cumprimento à portaria 654, encaminhando a lista de viajantes que devem fazer quarentena às companhias áreas nacionais. Isso impedirá que eles façam voos domésticos, colocando em risco a saúde dos demais passageiros e da tripulação. Complementando essa medida, a Anvisa também enviará a mesma listagem para a rede do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), que poderá repassar a informação para empresas de transporte rodoviário. 

“Essas reuniões emergenciais foram convocadas para tratar da cepa indiana da Covid-19, visando aprimorar as medidas sanitárias aplicadas no aeroporto. Os resultados superaram e muito as expectativas. Obteve-se o comprometimento da Anvisa em realizar – de imediato – as devidas comunicações da lista de passageiros que devem fazer quarentena. Com isso, conseguiremos evitar que uma pessoa eventualmente contaminada com a cepa indiana possa, no período de quarentena, embarcar num voo doméstico ou em um transporte público interestadual, por exemplo, bem como se possibilitará aos órgãos estaduais e municipais de controle epidemiológico realizarem um acompanhamento rigoroso do cumprimento da quarentena no local indicado pelo viajante às autoridades da Anvisa. A vacina já está sendo aplicada e quanto maior controle for realizado para impedir a entrada de novas variantes, como a indiana, menos casos graves e mortes teremos”, afirmou o procurador da República Guilherme Göpfert. 

O Aeroporto Internacional de Guarulhos é responsável por 90% dos voos internacionais do Brasil, no período da pandemia. A Polícia Federal também receberá a lista com viajantes que deverão fazer quarentena, aumentando o controle do cumprimento da portaria.