Economia

IBGE: IPCA de novembro terá efeito da gasolina e energia

Além do reajuste da gasolina, a inflação de novembro absorverá os impactos dos reajustes na conta de luz e da valorização do dólar, segundo Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O efeito do câmbio sobre a inflação não é imediato. Portanto, embora o dólar tenha registrado alta em relação ao real em outubro, o efeito pode aparecer em novembro. “No caso do câmbio, tem efeito direto sobre alguns itens, sobre o milho, o adubo e eletrodomésticos”, citou Eulina.

Ela salientou, porém, que é difícil precisar quanto da alta do dólar chegará à inflação ao consumidor. “Isso depende também da reação do consumidor, no nível de atividade do comércio, se o comerciante vai poder repassar ou não”, ponderou.

Já os reajustes na gasolina e na energia elétrica são sentidos imediatamente no bolso dos consumidores. O reajuste de 3% na gasolina passa a vigorar nesta sexta-feira, 07, nas refinarias, mas ainda não se sabe em que magnitude será repassado ao consumidor. Em relação à energia elétrica, o IPCA de novembro captará o aumento de 20,61% nas tarifas de uma das concessionárias de São Paulo, em vigor desde 23 de outubro, além do reajuste da Light no Rio de Janeiro, de 17%, a partir desta sexta-feira. A gasolina tem um peso de 3,73% na inflação medida pelo IPCA, enquanto a energia elétrica pesa 2,90%.