Início » Pais criticam decisão da Justiça de suspender aulas presenciais
Educação

Pais criticam decisão da Justiça de suspender aulas presenciais

Em 26 de maio haverá um novo debate envolvendo Prefeitura e entidades sindicais sobre o tema

A decisão judicial que determinou o retorno das aulas presenciais somente após o dia 31 de maio em Guarulhos desagradou boa parte dos pais de alunos, que foram às redes sociais reclamar da situação. 

A determinação do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo tem como objetivo retomar o ensino somente quando os profissionais da educação estiverem imunizados contra o coronavírus. Durante a audiência, se reuniram representantes da Prefeitura, do Sinpro e da Apeoesp. 

“Na minha opinião o funcionamento das escolas é essencial. Eles têm que pensar na saúde mental das crianças e muitos pais só têm as escolas para deixarem seus filhos e seguirem para o trabalho”, comentou Maria Falcão, em publicação do GuarulhosWeb.

“A educação é serviço essencial e nossas crianças estão sofrendo com a falta das escolas”, endossou Ana Maria Lourenço.

“Tem pessoas que não querem que seus filhos assistam às aulas presenciais, vamos respeitar. Mas cadê o direito de quem quer o filho na escola?” questionou Dianete Alves.

“Na escola do meu filho, pelo que vi, é um lugar mais seguro do que nas ruas”, escreveu Sheila Ferreira. Em janeiro, quando as escolas particulares receberam sinalização positiva para retomarem o ensino presencial, o GuarulhosWeb visitou colégios privados da cidade e constatou que as instituições se prepararam contra o vírus e receberam boa adesão de alunos no sistema presencial.

Em 26 de maio, as entidades e a Prefeitura se reunirão novamente para um novo debate acerca do assunto.

1 Comentário

Clique aqui para comentar

  • Também Discordo sou a favor a volta da aulas presencial meu filho tem 5 anos , e como fica a alfabetização, trabalho não tenho tempo para ensinar, ele não tem paciência de assistir os saberes em casa, acho errado ele mandarem lição para ter que passar no caderno.