Economia

Dólar à vista fecha em alta pela sexta sessão seguida

Nesta sexta-feira, 7, após uma manhã de volatilidade, o mercado de câmbio doméstico operou com um viés mais cauteloso no período da tarde, tendo a moeda à vista acelerado a alta e no futuro, reduzido a queda. Segundo operadores, apesar de o dólar futuro ter sido influenciado, em boa medida, pela tendência de baixa vista ante as demais moedas no exterior, à tarde voltaram a pesar as incertezas sobre a formação da equipe econômica do novo governo Dilma.

Dessa forma, o dólar à vista no balcão marcou sua sexta sessão seguida de alta, período em que acumulou ganho de 6,34%. Hoje, a moeda fechou em R$ 2,5660 (+0,63%), no maior patamar desde 19/04/2005 (R$ 2,5750). Na máxima, atingiu R$ 2,587 (+1,45%), pela manhã, e na mínima R$ 2,550 (estável), por volta das 13h30. O giro financeiro era de US$ 1,069 bilhão (US$ 1,045 bilhão em D+2), às 16h36. Neste horário, o dólar para dezembro recuava 0,17%, a R$ 2,581.

O dólar à vista operou durante toda a sessão com sinal divergente do câmbio futuro. Ontem, no final do dia, o mercado de balcão já estava fechado quando houve disparada das cotações no segmento derivativo em razão de declarações do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, em relação à economia. Hoje, portanto, o dólar à vista mostrou um ajuste.

Em termos de volume, a sessão teve liquidez reduzida no segmento à vista e considerada “razoável” no mercado futuro, também reflexo das dúvidas principalmente sobre quem será o ministro da Fazenda. O nome do ex-secretário de Política Econômica do Ministério Nelson Barbosa já estaria definido, segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, junto a fontes ligadas à equipe econômica. Contudo, o anúncio oficial pela presidente Dilma deverá ser feito somente na segunda quinzena do mês, quando a presidente retornará da reunião do G20, na Austrália. Portanto, até lá, o mercado deve continuar operando sem consistência.

No exterior, perto das 16h30, o dólar era negociado em queda de 0,80% ante o dólar australiano e de 0,77% ante o dólar canadense. Em relação às divisas de países emergentes, recuava 0,72% contra o peso mexicano, 0,24% contra a lira turca e 0,12% ante a rupia indiana. Ante as moedas fortes, o euro avançava a US$ 1,2436, de US$ 1,237 ontem.

O dólar perdeu terreno após a divulgação do relatório de emprego nos EUA, referente a outubro. A economia criou 214 mil empregos, menos que os 233 mil postos de trabalho esperados. Por outro lado, a taxa de desemprego inesperadamente caiu para 5,8%, o nível mais baixo desde 2008, ante previsão de estabilidade em 5,9%.

Comentar

Clique aqui para comentar